Um projeto aliado ao brincar

Nas unidades educacionais o brincar organiza o ambiente, a rotina e traz à tona o papel do professor
avisala_34_formacao1.jpg

Fotos: Arquivo Sme de São Bernardo do Campo

No município de São Bernardo do Campo, em São Paulo, um dos 30 participantes da primeira edição do Programa Formar em Rede1, percebeu-se, após a realização de uma avaliação inicial sobre o brincar em suas creches conveniadas, a necessidade de ampliação dos olhares dos educadores em relação ao espaço destinado às brincadeiras. O diagnóstico revelou, ainda, a necessidade de se investir na proposição de momentos de brincadeiras e suas intervenções, direta ou indiretamente. Essa tarefa colocou o profissional em um contexto de aprendizagem real no qual ele aprende fazendo, errando, acertando, tomando decisões. Desta forma, a resolução de problemas, um dos princípios da formação de educadores, foi contemplado diretamente.
Continue lendo >

Uma parceria produtiva

A parceria entre diretor e coordenador pedagógico das unidades de educação infantil para o desenvolvimento de um projeto de ação beneficia a qualidade do atendimento e contribui para a profissionalização da equipe
avisala_33_gestor1.jpg

Fotos: Rita De Cássia Xavier

Os projetos de ação e ou institucionais, sejam eles de caráter pedagógico ou organizacional, mudam a prática estabelecida e conferem aos coordenadores e diretores uma função mais técnica, atenuando o desgaste das tarefas administrativas e emergenciais. Geralmente os projetos institucionais começam com a abordagem de algo que se pretende mudar, que traz algum desconforto no âmbito do atendimento à criança. Para isto, incentivamos a parceria entre coordenador pedagógico e diretor, que nem sempre possuem a mesma visão sobre o assunto. Essa é uma excelente oportunidade para esses parceiros trocarem idéias sobre as concepções de trabalho, as atividades desenvolvidas, o que observam e não gostam.
Continue lendo >

Planejar para ler melhor

A leitura em voz alta pelo professor pode ser muito proveitosa para as crianças, mas, para tanto, é necessária a escolha prévia do texto a ser lido e o preparo cuidadoso da atividade
avisala_33_formacao3.jpg

Imagens retiradas dos livros de Ricardo Azevedo

Nosso encontro aconteceu na Escola Alto do Maracanã1, pois sua coordenadora, que faz parte do Programa Além das Letras, organizou, em parceria com as professoras, uma sala temática para a leitura de contos de Ricardo Azevedo2. Consideramos que seria uma ótima oportunidade para reflexão e aprendizado sobre o que vínhamos discutindo até então. Combinamos com as outras coordenadoras pedagógicas (CPs), que gostaram muito da idéia, e fomos à inauguração da sala temática. A sala para leitura recentemente organizada pela escola (ainda não há biblioteca) estava muito bem decorada, com os elementos do conto “A tartaruga e a fruta amarela3”, lembrando um agradável ambiente de floresta. Sobre o chão, onde cada turma que chegava se sentava para ouvir a leitura da história, por sua professora, havia muitas folhas espalhadas, compondo a atmosfera. Nas paredes, os personagens e também um cartaz com uma foto ampliada do autor, com um breve resumo sobre a sua vida, destacando sua competência de escritor e ilustrador.
Continue lendo >

De braços abertos

Acolher bem as crianças e suas famílias desde o primeiro momento exige atenção e preparo de toda a equipe da escola, e pode trazer resultados surpreendentes
avisala_32_jeitos1.jpg

Organizar pequenos grupos para conhecer as novidades produziu um efeito positivo no uso dos ambientes (Fotos: arquivo EMEI J. G. de Araújo Jorge)

Quando recebemos a tarefa de pensar no acolhimento de nossas crianças para 2007, nos sentimos muito atraídas pelo desafio. Isto porque, olhando, lendo, sentindo o material que nos foi fornecido sobre o tema pelo Programa Capacitar na Educação Infantil1 tivemos a sensação de que “finalmente”, havíamos encontrado a porta para entrar no novo ano “com o pé direito”.Continue lendo >

Arte: base do projeto na escola

Na Escola Grão de Chão, a proposta pedagógica é guiada pela arte. Oficinas diárias com diferentes linguagens artísticas favorecem um trabalho estético de alta qualidade, e a cada ano uma caprichada exposição revela a consistência do trabalho realizado. Em 2006, o encanto ficou por conta de uma instalação com móbiles produzidos pelas crianças e professores

O projeto educativo da escola Grão de Chão1, que já completou 22 anos de atuação na cidade de São Paulo, tem como objetivo desenvolver habilidades, competências afetivas das crianças por meio de projetos cuidadosamente planejados, com ênfase no jogo/brinquedo e nas artes, em suas diferentes linguagens: Teatro, Música e Artes Visuais. As linguagens artísticas e o brincar permeiam o dia-a-dia da escola e estão garantidos nos tempos e espaços que são organizados pelos coordenadores e professores. A opção de trabalhar com a arte e o brincar, no entanto, não impede o desenvolvimento das outras áreas do conhecimento como a Língua Portuguesa ou a Matemática, por exemplo, já que os projetos são interdisciplinares.Continue lendo >

Alto e em bom som – A importância da leitura em voz alta no processo inicial de alfabetização

Projeto de formação de coordenadoras pedagógicas, desenvolvido no sul do país, com consultoria do além das letras, contribui para que as professoras desenvolvam práticas diárias de leitura para seus alunos

São Miguel do Oeste, em Santa Catarina, é um dos 20 municípios integrantes da Rede Além das Letras1 e vem desenvolvendo importante trabalho de formação de coordenadoras pedagógicas. O projeto visa implementar nas escolas práticas de leitura em voz alta pelo professor. Hoje sabe-se, por meio de pesquisas didáticas, a importância dessa atividade para uma alfabetização ampla. Realizado entre setembro e dezembro de 2004, a primeira fase do Projeto Formando Formadores envolveu coordenadoras pedagógicas, professoras e alunos da Educação Infantil e 1ª séries do Ensino Fundamental de São Miguel do Oeste. Apoiada por Beatriz Gouveia, uma das consultoras da Rede Além das Letras, a formadora do município de São Miguel do Oeste, Terezinha Bagatini, conduziu a formação das coordenadoras pedagógicas e relata aqui o desenvolvimento do projeto.

Passos iniciais
São Miguel do Oeste vinha desenvolvendo o Projeto de Formação Continuada de Professores Alfabetizadores baseado no PROFA2 do MEC, com resultados muito positivos para a alfabetização. Essa ação possibilitou que o município recebesse o Prêmio Além das Letras como destaque da região Sul. Em seminário em São Paulo, com os cinco municípios que foram destaques regionais, um novo desafio foi lançado às equipes técnicas. A proposta do Além das Letras foi dar ênfase à formação de formadores locais, ainda em caráter experimental, partindo de contextos3 que favorecem a alfabetização inicial. São Miguel optou pelo desenvolvimento do contexto de leitura em voz alta pelo professor para iniciar a formação de coordenadoras pedagógicas.Continue lendo >

Formação de leitores: por onde começar

O que é ser leitor? Como crianças não alfabetizadas podem ler um texto? essas são algumas das perguntas que foram discutidas no encontro de formação que você vai conhecer a seguir. Veja como a resolução de problemas e a análise de situações homólogas de leitura ajudam o professor a construir novas práticas educativas no campo da alfabetização inicial.

Continue lendo >

Estratégias de Leitura

No diário de campo de uma professora, encontramos uma interessante atividade cujo objetivo é ajudar crianças de 5 a 6 anos a avançar na reflexão sobre o sistema de escrita. Propõe-se a elas encontrar em uma lista, palavras que fazem parte de um poema lido com a professora. Como ainda não são alfabetizadas, precisam pôr em jogo tudo o que sabem sobre o sistema de escrita – conhecimento sobre o valor sonoro convencional das letras e das estratégias de leitura – para descobrir o que não sabem. Veja como elas pensam.

Continue lendo >

O primeiro dia da professora

Como planejar sem conhecer as crianças? Esse foi o problema encontrado pela professora Ana Carolina no seu primeiro dia de trabalho. Ela considerou a faixa etária e pensou em propostas simples, com o objetivo de conhecer as crianças reais, sujeitos da relação de ensino e de aprendizagem. Partindo desse ponto de vista aproveitou os projetos que vinha desenvolvendo.

Aqui ela nos conta o que aconteceu nas páginas de seu diário de campo; nos links, trechos do livro O diálogo entre o ensino e a aprendizagem, de Telma Weisz
Continue lendo >