A Criança e o Movimento – Questões para pensar a prática pedagógica na educação infantil e no ensino fundamental

A compreensão do papel da motricidade no desenvolvimento e na vida da criança pode contribuir para que as Escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental organizem práticas educativas que incorporem essa dimensão nos processos de ensino e de aprendizagem


Para falar sobre o assunto avisa lá convidou a professora especialista Isabel Porto Filgueiras, professora de E.F da rede municipal de São Paulo e da Escola Criarte, mestre em educação pela USP e coordenadora projetos de formação de educadores.

Qual é a importância do movimento na vida da criança?
O sujeito se constrói na interação com o meio, e o movimento é uma das formas que temos para interagir com esse meio. Pela exploração a criança vai construindo conhecimentos sobre as propriedades físicas dos objetos e inicia a compreensão de quais relações pode estabelecer com eles.

Aprende sobre seus limites; quando puxar, empurrar, chegar perto, se afastar etc.Através de ações motoras a criança também interage com a cultura, seja para dominar o uso dos diferentes objetos (instrumentos) que a espécie humana desenvolveu, seja para usufruir atividades lúdicas e de lazer, como jogos e brincadeiras, esportes, ginásticas, danças e artes marciais.

Pelo movimento a criança conhece mais sobre si mesma e sobre o outro, aprendendo a se relacionar. O movimento é parte integrante da construção da autonomia e identidade, uma vez que contribui para o domínio das habilidades motoras que a criança desenvolve ao longo da primeira infância.

Quando uma criança, por exemplo, quer falar de si, é comum que fale do que consegue fazer: “Eu já sei amarrar meu sapato”, “Eu subo a escada sozinho”. Saber quem ela é, o que consegue fazer, num primeiro momento, pode ser marcado pela gestualidade.

Quais são as características da motricidade infantil?
Para conhecer a criança do ponto de vista de seu desenvolvimento motor é preciso buscar uma lente de observação, porque você pode interpretar um comportamento de várias maneiras, dependendo das lentes que usa. Isso está relacionado à visão de mundo, de criança, das teorias de desenvolvimento e aprendizagem que temos.

No nosso caso, vamos considerar algumas referências que vêm da área de desenvolvimento e de alguns pensadores, em especial Wallon e Piaget.

Vamos começar por Piaget, como ele vê a motricidade infantil?
Piaget foi quem nos despertou para a importância da motricidade. Na verdade, ele estava preocupado em estudar a gênese do pensamento humano, não em entender como a criança aprende o movimento ou qual é a importância disso. Mas para entender o desenvolvimento da inteligência ele observou a criança e percebeu que, desde que nasce, ela já tem um tipo de inteligência, que é, ao contrário do que se pensava, anterior à linguagem.

Bárbara e Fábio observam e brincam com uma bola oval (futebol americano).
G2 – 4 anos

Existe uma inteligência motora, que é prática, e que é a primeira que o ser humano desenvolve. Como isso acontece? A criança tem uma bagagem genética, que são os movimentos reflexos, e a partir do contato com o ambiente, naquilo que Piaget chama de reações circulares, ela vai construindo esse movimento intencional.

Então, até por volta dos 2 anos, mais ou menos, ela constrói essa inteligência sensório-motora, essa capacidade de perceber a intencionalidade e a conseqüência dos gestos, que são os recursos que ela tem para interagir com o meio.

Para ele o desenvolvimento da inteligência é um processo contínuo de equilibração, através de dois mecanismos: a assimilação, que é entendida como a integração do exterior às estruturas do indivíduo, e a acomodação, que é a transformação interior em função das variáveis exteriores. É por meio desses dois mecanismos que a criança desenvolve sua inteligência prática ou sensóriamotora, composta por diferentes esquemas de ação, que vão se aperfeiçoando, tornando-se mais variáveis e adaptáveis a diferentes situações.

Marcela fazendo parada de cabeça – G3 – 5 anos

Nessa perspectiva, é fundamental criar desafios para as crianças, propor situações que geram a necessidade de novas adaptações a partir, por exemplo, do uso de diferentes materiais, jogos, brincadeiras tradicionais etc.

Como Wallon vê o desenvolvimento da criança?
Wallon fala da afetividade e da socialização da criança. Para ele o movimento tem primeiro uma função expressiva. A interação entre o bebê e os adultos se dá por uma intensa troca afetiva comunicada por gestos e expressões faciais.

Mais tarde o movimento passa a ter uma função instrumental: conhecer e explorar o mundo físico. O movimento passa a auxiliar o pensamento, inaugurando-se a dimensão cognitiva da atividade motora. A ação mental projeta-se em atos motores. O movimento também está relacionado à origem da representação, ele dá suporte à representação na medida em que torna presente um objeto ou cena imaginada por meio dos gestos que a criança utiliza para imitar.

“Mas essas crianças não param um minuto!” – dizem os adultos ao observar a vivacidade infantil. Por que, afinal, é tão difícil para elas manterem-se paradas?

Porque as crianças, sobretudo na fase da Educação Infantil, falam com o corpo! Por isso, por exemplo, na roda de conversa, as crianças gesticulam, se deitam, levantam, querem pegar coisas… Mas há também um outro aspecto. Para responder a essa questão é importante ver como Wallon compreende o movimento.

Segundo ele, a atividade muscular possui duas funções intimamente relacionadas: a função tônica, que regula o grau de tensão dos músculos (tônus) e se relaciona ao controle e ajustamento postural, e a função cinética, responsável pelo controle do estiramento e encurtamento das fibras musculares em coordenação com os impulsos do sistema nervoso central, que produz o deslocamento do corpo ou de partes dele.

Gabriela escalando um brinquedo de parque G3 – 5 anos

Em todos os movimentos que realizamos estas funções estão presentes. Para chutar uma bola, correr ou jogar tênis precisamos controlar nossa postura e, ao mesmo tempo, as cadeias musculares que vão executar o movimento.

Todo este processo de coordenação e controle do movimento envolve o indivíduo como um todo e demanda um incrível gasto energético. Até quando estamos sentados em uma determinada posição há um gasto energético.

Qualquer um de nós pode observar como é difícil permanecer na mesma posição por algumas horas e, no entanto, muitas vezes exigimos de nossos alunos este esforço e nem imaginamos quanta energia esta ação demanda e como é difícil permanecer sentado com um único foco de atenção.

O cansaço resultante do esforço em manter-se imóvel por muito tempo pode transformar-se em obstáculo às aprendizagens, ao contrário do que tradicionalmente se espera.

Para Wallon, existe uma relação entre a função postural e a aprendizagem da criança?
Sim. A função postural dá sustentação à atividade cognitiva. Todos nós já pudemos observar como modificamos nosso tônus quando estamos com dificuldade de entender uma aula, compreender um texto ou resolver um problema.

Levantar da cadeira, mudar de posição, “dar um tempo” para o ajustamento postural podem contribuir para que nossa atividade intelectual volte a fluir. De certa forma, as variações tônicas desobstruem o fluxo mental e orientam nossa percepção.

Circuito de brinquedos de madeira, explorando locomoção em suspensão
Pré – 6 anos

Para a criança, esta relação de reciprocidade entre a atividade cognitiva e o controle do tônus é ainda mais relevante: ela aprende por meio da expressão corporal e ao experimentar desafios motores. Assim, a movimentação das crianças na sala de aula deve ser encarada como um recurso para aprendizagem e não um obstáculo.

Um projeto educativo que considera a criança deve ter um olhar sobre a motricidade que não leve em conta apenas a função cinética do movimeno, como tradicionalmente a educação física tem feito,mas também a função tônica e expressiva.

As variações de postura e posições do corpo, a possibilidade de movimentar-se pela sala, fazer experiências, expressar-se, podem permitir uma maior atenção e interesse na atividade que está sendo realizada.

Tradicionalmente a educação do movimento compreende apenas as aulas de educação física. Como você vê isso?
Há uma tradição de ver o homem da perspectiva dicotômica.A escola não foge a essa regra. Em geral, separa corpo e mente como se o cérebro não fizesse parte do corpo, como se fosse possível matricular só a cabeça, deixando o corpo do lado de fora nas aulas de educação física ou no recreio.

Essa concepção de corpo aparece, ainda que não conscientemente, em toda a instituição. A organização da sala, as rotinas de tempo, a distribuição do lanche, as aulas de matemática, revelam como esse corpo é tratado.

Observação e exploração de diferentes tipos de bola G2 – 4 anos

Em geral é um corpo que atrapalha a aprendizagem e que precisa ser contido, por isso as crianças estão sentadas em fila, umas atrás das outras e não podem movimentar sem autorização.

Dificilmente há a visão de que o corpo pode se expressar, circular pela sala, fazer ações diversas que facilitariam o modo de a pessoa ser e estar no mundo. O que se deseja é domesticar esse corpo ou que ele esteja realmente presente no processo de aprendizagem da criança?

As próprias regras da escola – quando se pode beber água, quando levantar da cadeira, quando começar a atividade, se pode ou não virar para o lado – agem sobre o corpo e podem inibir um envolvimento ativo do aluno com o conteúdo trabalhado. Insiste-se, por exemplo, para que as crianças se organizem sempre em fila. No entanto, aprender a andar pela escola sem ser dessa forma apresenta, do ponto de vista cognitivo, da aprendizagem de relacionamento e da autonomia, um desafio muito maior do que andar em fila.

Um projeto educativo que de fato considere o homem integral não pensa uma só aula, uma vez por semana, ocasião em que a criança terá a oportunidade de se movimentar.Ao contrário, dá espaço de movimento e expressão, assegura a liberdade de trabalhar em grupo, circular pela sala, sair da sala e todas as demais ações que permitem que as crianças se coloquem inteiras no mundo.

Superar esta dicotomia corpo/mente, fazer/compreender é um grande desafio do educador para humanizar tanto as aulas de educação física como o trabalho nas demais disciplinas.

Do que depende um bom desenvolvimento motor?
O desenvolvimento motor ocorre, basicamente, por dois processos: o aumento da diversidade e da complexidade. O aumento da diversidade se dá pela possibilidade de a criança vivenciar um mesmo esquema de ação em diferentes contextos.

O aumento da complexidade envolve aprendizagem de novos movimentos a partir daqueles que a criança já domina e diversifica. Por exemplo: a criança aprende a andar diversificando esta ação em relação ao tempo, aos deslocamentos, às mudanças de direção; a partir deste andar ela desenvolve o correr e o correr diversificado, que depois pode ser combinado a outros movimentos como “quicar” uma bola, dando origem a um movimento mais complexo ainda, que é driblar a bola num jogo de basquetebol.

Para um bom desenvolvimento motor é preciso, então, garantir a diversificação dos movimentos e o aumento da complexidade, levando em consideração o desenvolvimento e a aprendizagem da criança num determinado momento. Mas é preciso superar a visão de que o desenvolvimento motor é um processo natural e progressivo que acontece sem a necessidade de um ambiente favorável à sua ocorrência.

Entendo que esses dois processos são indissociáveis. Vamos pensar um exemplo: somos herdeiros de uma evolução biológica que nos capacita para o andar ereto, temos uma coluna vertebral e um aparelho locomotor para andar de um jeito que o chimpanzé não é capaz. Mas crianças que não tem experiências, que ficam isoladas do contato humano, não desenvolvem esse andar da melhor forma porque embora o aparelho locomotor seja geneticamente constituído, o andar ereto é aprendido socialmente.

Circuito combinando materiais da aula de Educação Física com os brinquedos de parque G2 – 4 anos

Isso acontece com todos os reflexos naturais, até o mais básico, que é mamar, e pressupõe uma aprendizagem cultural: como sugar, como se acomodar nos braços da mãe. As experiências que a criança tem é que empurram esse desenvolvimento. Não dá para dizer que uma criança por si mesma vai desenvolver a capacidade de quicar uma bola, por exemplo, embora todas tenham o potencial para aprender esse movimento.

O desenvolvimento de competencias motoras ocorre pela relação dinâmica entre o biológico e o social. Por isso as experiências fornecidas à criança são tão importantes.

Por que é importante ampliar o repertório de movimentos das crianças?
É preciso deixar de lado a idéia de que existem formas gestuais ideais, únicas, “certas” que a criança deve aprender. Uma característica singular do movimento humano é a necessidade de construir, ao mesmo tempo, consistência e variabilidade.

A consistência garante o encontro de coordenações motoras mais eficientes, construídas para que o sujeito apresente soluções eficientes frente aos desafios motores. Para aprender a andar, por exemplo, é preciso que a criança ganhe consistência em sua capacidade de controlar as relações de equilíbrio postural e as contrações musculares adequadas para realizar o movimento.

A consistência garante encontrar um caminho seguro e confiável para realizar o movimento. No entanto, estamos constantemente sendo desafiados pelas variações do ambiente. Os pisos que enfrentamos para caminhar são diferentes, podemos andar na subida e na descida, podemos andar sobre um caminho estreito, somos desafiados a caminhar em espaços lotados, com pessoas locomovendo-se em diferentes direções e velocidades, e é a variabilidade de nosso sistema motor que garante esta adaptabilidade e o desenvolvimento de esquemas de ação flexíveis.

“Que bola será que pinga mais?” Thais e Louise – G2 – 4 anos

Como conciliar as características do desenvolvimento infantil e a aprendizagem de novas habilidades?
O sistema motor humano caracteriza-se pela capacidade de alcançar uma mesma ação por meio de diferentes movimentos, por isso não se deve insistir em ensinar à criança, principalmente no início do processo de aprendizagem, um gesto único tido como a técnica mais adequada para resolver aquele desafio.

O excesso de ênfase do educador na consistência dos movimentos através da repetição de gestos-modelo pode resultar na aprendizagem de movimentos estereotipados com pouca adaptabilidade. As atividades propostas às crianças, bem como os ambientes em que estão inseridas e materiais oferecidos, devem contemplar oportunidades para que ela ganhe consistência com variabilidade.

Podemos observar a busca pela variabilidade em toda atividade motora espontânea da criança: no escorregador, por exemplo, notamos que primeiro ela aprende a subir e descer de frente, sentada. Depois, começa a explorar este gesto em diferentes posições, de frente, de costas, de cabeça para baixo, de mãos dadas com um amigo.

Mais importante do que buscar o jeito certo de arremessar uma bola no jogo, de derrubar latas, por exemplo, é estimular a criança a resolver este desafio de diferentes maneiras, de diferentes distâncias, com diferentes tipos de bola. Essas ações colaboram para o desenvolvimento de um repertório motor que permita à criança escolher as respostas para os diferentes desafios buscando soluções alternativas e criativas para os mesmos problemas.

Como o professor pode intervir para promover avanços nas aprendizagens ligadas ao movimento?
Encorajar as crianças a explorar suas potencialidades de movimento, ao invés de fixar os “jeitos corretos”, é o grande desafio de uma educação física que conhece o desenvolvimento motor. Isso não quer dizer que o professor não deva fornecer informações às crianças sobre os caminhos para encontrar melhores soluções, demonstrar movimentos que ele conhece ou chamar a atenção da criança para a maneira como um colega resolveu aquele desafio.

Equilíbrio no banco invertido Pré – 6 anos

Se a criança está tentando aprender a virar uma cambalhota, o educador pode sugerir: Que tal você experimentar colocar o seu queixo no peito, abaixar bem a cabeça? Observe os objetos que rolam, que tal tentar enrolar o corpo como uma bola, será que não é mais fácil? Você está usando os braços? São questões que o educador pode colocar ao aluno para que ele encontre uma relativa consistência na aprendizagem deste movimento.

O educador também pode propor uma série de situações de exploração e descoberta deste movimento. Que tal virar cambalhota em um plano inclinado, como um declive de grama presente no parque? Que outras formas nosso corpo tem para rolar? Podemos experimentar rolar com um amigo? Rolar carregando uma bola macia? O professor precisa também ter uma possibilidade corporal para se envolver no processo ensino-aprendizagem, precisa resgatar em sua própria vida o prazer pelo movimento.

Muitos educadores têm receio da liberdade de movimentos porque acham que as crianças podem se machucar. Como lidar com isso?
É comum que os educadores tenham um certo medo de que o ambiente não seja seguro: “será que a criança pode pular dessa altura?” “Será que pode correr nesse cimentado?”,“Será que não vai se machucar?”,“Vou propor um pega-pega e se eles se trombarem?”

Muitas vezes o trabalho com o movimento fica restrito por esses receios que, na maioria das vezes, não são reais. A cambalhota, por exemplo, assusta bastante: dá medo de a criança quebrar o pescoço, mas, na verdade, ela é muito flexível e a probabilidade de ter uma lesão grave na coluna cervical é mínima, a não ser que salte em alta velocidade, de um lugar alto.

O mesmo acontece com as brincadeiras de correr. É importante brincar de pega-pega porque essa brincadeira possibilita à criança desenvolver a noção espacial, aprender a correr e mudar de direção, em diferentes trajetórias e direções, desenvolver estratégias individuais e coletivas para brincar, estimula o desenvolvimento cardiorrespiratório, que beneficia a saúde.

Mas é preciso avaliar as condições das crianças, sobretudo as menores, que, nessa brincadeira, sempre se trombam e caem porque têm dificuldade de andar e mudar de direção. Nesse caso é possível pensar um grupo menor e em um piso mais seguro, mas não adiante evitar: o risco é inerente a qualquer processo de aprendizagem. Errar é uma coisa construtiva no processo de aprendizagem, mas na área de movimento errar às vezes causa um raladinho no joelho, uma batidinha na cabeça.

O corpo tem um limite de resistência, de força, por isso é muito importante criar um ambiente seguro. Se você vai fazer uma brincadeira de correr, por exemplo, tem de assegurar que o chão não será muito áspero, não terá pedras nem pontas, possibilitará mudanças de movimentos em todas as direções.

É importante o professor observar e ensinar isso à criança. Quando o educador, por causa da segurança, não oferece desafios às crianças está, na verdade, fazendo o contrário: quanto mais experiências as crianças tiverem, mais conhecerão sobre si, suas possibilidades e limitações e, conseqüentemente, menos vão se machucar.

O que priorizar num trabalho com o movimento na educação infantil?
Na educação infantil a ênfase do trabalho de desenvolvimento de competências motoras está centralizado na diversificação dos movimentos fundamentais de locomoção – tais como andar, correr, saltar, saltitar, deslizar, escalar; de manipulação – como arremessar, receber, chutar, rebater, quicar, rolar; e de estabilização – como equilíbrio estático (ficar num só pé), equilíbrio dinâmico (andar numa superfície estreita) e apoios invertidos (parada de cabeça, parada de mãos, estrela).Tudo isso contextualizado em atividades da cultura lúdica infantil.

O objetivo é que a criança possa utilizar atividades de movimento em contextos significativos de sua experiência. Um trabalho com o movimento contribui com as questões atitudinais, com a capacidade de se relacionar com o outro, dialogar e resolver problemas, o que sempre acontece em contextos de jogos e brincadeiras.

Roda de conversa – G1 – 3 anos

As atividades coletivas e jogos em grupo reúnem situações extremamente produtivas para o desenvolvimento da capacidade de diálogo, de respeito ao outro e proporcionam momentos de prática e consciência das regras. Isso vale também para o ensino fundamental.

E no ensino fundamental, o que é possível avançar?
No ensino fundamental a criança tem uma capacidade maior de refletir sobre suas ações, de tomar consciência dos mecanismos que controlam seus movimentos. O professor deve estimular a criança a descrever seus movimentos, socializar suas descobertas, criando possibilidades para que ela estruture de forma mais significativa e mais consciente estes gestos. É enfatizada, nas séries iniciais, a combinação de movimentos e sua aplicação em atividades mais complexas e específicas da cultura corporal.

A Educação Física pode sistematizar interfaces com diversos campos da educação, envolvendo os temas transversais e projetos transdisciplinares (veja um exemplo em Tempo Didático).

No entanto, em sua especificidade, na prática pedagógica que temos construído, ela se organiza em torno de três grandes eixos:

  1. A vivência de diferentes movimentos e a construção de um repertório motor variado e adaptado a diferentes desafios e mudanças do ambiente;
  2. A vivência de redes de comunicação presentes nos jogos em grupo e do desenvolvimento de um repertório relacional, a partir de valores de justiça e eqüidade de oportunidades;
  3. A vivência de atividades rítmicas e expressivas.

Você considera necessária a presença de um especialista em educação física para garantir todos esses aspectos do trabalho?
O professor especialista pode trazer contribuições para o trabalho porque sua formação favorece a interpretação do papel do movimento na vida e no desenvolvimento da criança, mas nem sempre isso acontece, até pela tradicional dicotomia corpo/mente de que estávamos falando e pela formação extremamente técnica e esportivizada que esses profissionais tiveram no passado.

Temos visto que educadores não especialistas podem desenvolver uma intencionalidade educativa frente à questão do movimento ao observar as crianças, percebendo suas necessidades, integrando na rotina diferentes possibilidades de ação. Nesses casos têm condição de fazer um trabalho integrado.

A presença do especialista é enriquecedora quando ele tem uma visão abrangente da aprendizagem e do desenvolvimento da criança, quando participa do projeto educativo, estabelecendo parcerias com os professores da sala. O mais importante para que se tenha um bom trabalho com movimento é investir na formação inicial e permanente tanto de especialistas como de generalistas.

Jogo de futebol com bolão

Para saber mais

  • Motricidade Infantil In: Espaços lúdicos ao ar livre na Educação Infantil. Isabel Porto Filgueiras. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação da USP.
  • Liberdade e restrição do movimento no desenvolvimento motor da criança. In: Discutindo o desenvolvimento Infantil. Livro anual da sociedade internacional para estudos da criança. Go Tani, Santa Maria. Rio Grande do Sul. Ed. Phorte. Tel.: (11) 270-2923.
  • Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Izabel Galvão. Ed.Vozes. Tel.: (21) 224-0864.

 

  • Isabel Porto Filgueiras – e-mail: [email protected]
  • As fotos que ilustram esta matéria são das crianças em atividades desenvolvidas na Escola Criarte, Rua Prof.Vahia de Abreu, 696.Tel.: (11) 3842-727. E-mail: [email protected] Site: www.criarte.com.br

Este conteúdo faz parte da Revista Avisa lá edição #11 de julho de 2002. Caso queira acessar o conteúdo completo, compre a edição em PDF ou impressa através de nossa loja virtual – http://loja.avisala.org.br

Tags: , , , , , , ,

Trackback from your site.

Leave a comment

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Fazemos Parte

Facebook

Google+