Tudo igual, tudo diferente

As turmas do Pré 1 (crianças de 5 anos) participaram de um projeto que provocou o interesse de todos: a produção de um calendário para o ano vindouro. Os calendários foram concebidos pelas crianças, que engajaram-se na sua confecção desde a organização dos dias da semana no papel, até a escolha dos temas, frases e imagens, além da cuidadosa produção dos desenhos, brinquedos e ou modelagens que serviram de ilustração para cada mês
avisala_25_sustanca1.jpg

Calendários feitos por crianças do Colégio Santa Cruz

O Projeto Calendário Ilustrado nasceu da iniciativa de duas professoras1. O sucesso da proposta, lançada inicialmente em 2002, foi tão grande que passou a fazer parte da programação didática da escola, ganhando cada vez mais consistência, na medida em que é constantemente reavaliado pela equipe pedagógica. É uma interessante forma de congregar todas as turmas em um projeto comum que, no entanto, guarda as peculiaridades e interesses de cada classe.

Em 2005, o projeto tomou conta de todos os grupos das crianças do pré 1. O objetivo foi a elaboração de um produto coletivo destinado a ser usado no ano letivo seguinte. Com essa iniciativa, foi possível apoiar a passagem das crianças para o ano vindouro, uma vez que, de forma simbólica, levaram, no material produzido, parte dos saberes construídos ao longo do ano. Além disso, o trabalho possibilitou aprendizagens em Artes, Matemática e Língua Portuguesa. A confecção do calendário ilustrado, como portador de números, palavras e imagens, teve a duração de 6 meses, iniciada no segundo semestre letivo.

Garantindo as condições didáticas
As crianças, nessa escola, entram no pré 1 e, já no primeiro semestre, têm contato com o calendário na rotina do trabalho escolar e ganham, assim, familiaridade com o mesmo, no que diz respeito à percepção da passagem do tempo. Aprendem a assinalar os dias que passam e marcam datas importantes, como aniversários, comemorações coletivas, passeios, etc. Esse contato é uma das condições didáticas a serem seguidas para o sucesso do projeto. Crianças e professoras de cada sala escolhem um tema como ilustração. Para tanto, elas são convidadas a trazer calendários que possuem em casa para analisarem as temáticas que aparecem. Aprendem também muito sobre sua forma e função. Para que servem? Quais as especificidades? Questões como “por que o primeiro dia de cada mês nem sempre é um domingo” e outras indagações semelhantes passam a fazer parte das reflexões infantis. As crianças, enfim, estudam as regularidades e características desse instrumento de medição de tempo.

avisala_25_sustanca4

A produção dos calendários para 2006, confeccionados em 2005, tiveram algumas temáticas bem interessantes, tais como: brinquedos tradicionais, cenários para algumas das Fábulas Italianas de Ítalo Calvino, super-heróis, arte popular brasileira. O importante é que as crianças, durante o semestre, se aproximem de forma sistemática dos conteúdos e das produções artísticas que serão a base para a criação de cada grupo. A turma que escolheu brinquedos, por exemplo, aprendeu a confeccionar uma série deles, tais como corrupios, bilboquês, cataventos, pés-de-latas.

Houve uma preocupação estética e lúdica com os objetos, que foram posteriormente fotografados para fazer parte do calendário. As crianças ainda aprenderam a escrever textos instrucionais ensinando como brincar com aqueles objetos, incorporados no material produzido. Cada dupla, ou trio de crianças, se responsabilizou pela ilustração e escrita de um mês, e o texto de abertura do calendário ficou por conta de um trabalho coletivo. Essa forma de desenvolver o projeto ocorreu em todas as turmas.

Muitos temas
Uma variedade de temas povoou as produções, exigindo diferentes aprendizagens. O grupo que escolheu os super-heróis criou personagens, bem como descreveu suas características e identidades secretas. Quanto ao tema para o calendário, inspirado no livro Fábulas Italianas, de Ítalo Calvino, que originalmente não possui ilustrações, o grupo teve a tarefa de criar cenários de partes do enredo, elaborando diferentes figuras feitas com massa de modelar e biscuit. Pintaram fundos de caixas de papelão para compor cada cenário, no qual os personagens foram dispostos. A classe Violeta, que escolheu como tema a história Um menino no saco, do mesmo autor, também elaborou cenários que abrigaram bonecos de tecido. Toda a produção foi fotografada e cada cena serviu para ilustrar um mês do calendário.
avisala_25_sustanca6
A turma que elegeu a arte popular como mote para a ilustração teve a oportunidade de aproximar-se da produção de artistas e artesãos brasileiros dentro da modalidade escultura. Puderam “viajar” pelo vale do Jequetinhonha e lá conhecer as bonecas da dona Isabel e as figuras pintadas de branco de Noemisa. Também “foram para Pernambuco” e surpreenderam-se com as figuras de mestre Vitalino. Em Juazeiro do Norte, Ceará, conheceram as máscaras de Ciça (Cícera Cândido) e as paisagens e cenários de Maria de Lourdes Cândido. As figureiras de Taubaté entusiasmaram as crianças com suas “chuvas”. Como recordação dessas “viagens”, as crianças confeccionaram o calendário 2006.

No fim do ano houve uma exposição para os pais com todos os produtos derivados do projeto. As salas, uma mais bonita que a outra, demonstraram a força criativa das crianças. Cada uma levou para casa uma cópia em preto-e-branco do calendário produzido por seu grupo e o original ficou na escola para ser usado no ano seguinte pela classe. Neste projeto as crianças aprendem muito sobre a forma e a função do calendário, objeto presente no seu dia-a-dia, por meio de um estudo cuidadoso no qual elas ganham maior intimidade com este instrumento construído culturalmente.

1Simone Kubric e Raquel Di Giorgi, do Colégio Santa Cruz, da cidade de São Paulo

avisala_25_sustanca5

Marcar o tempo: uma necessidade dos seres humanos

Desde o momento em que o homem começou a se organizar socialmente, surgiu a necessidade de controlar o tempo. Todas as civilizações, de uma forma ou de outra, procuraram determinar a passagem de seus diferentes momentos, uns pelo movimento da Lua, outros do Sol, alguns pelos ciclos dos frutos. A maioria delas – dos egípcios aos maias, dos babilônios aos incas, dos romanos aos tupis-guaranis – dividia o tempo em anos e cada ano em 12 meses. A palavra calendário é originária do latim. Vem de calendas, que é a denominação que os romanos davam ao primeiro dia de cada mês. Hoje, calendário define o elenco dos dias da semana, dos meses, do ano, incluindo informações especiais como, por exemplo, os dias santos, os feriados, as fases da Lua, os eclipses lunares e solares e as épocas de determinadas culturas.

Os dias da semana eram originalmente designados pelos sete planetas, nesta ordem: Sol, Lua, Marte, Mercúrio, Júpiter, Vênus e Saturno. O dia de Saturno foi chamado sábado, numa referência ao sabá judaico em que Deus descansou ao completar a criação (Gênesis, II, 1-3), e o dia do Sol foi cristianizado e denominado domingo, Dia do Senhor (Dominica dies). Os calendários primitivos mais conhecidos são: sumério, egípcio, chinês, hebraico, grego, maia, asteca e inca. O calendário atual é originário do Egito, que na versão mais primitiva teve meses de 30 dias, somando um ano de 360 dias. O calendário vigente no mundo ocidental é o gregoriano, essencialmente cristão.

(Fonte: Tratado de Astronomia, de Plinio Alves Monteiro Tourinho, Vol. II, págs. 598-608, Gráfica Mundial Ltda)

avisala_25_sustanca3

Ficha técnica

Colégio Santa Cruz
R. Arruda Botelho, 255 – Alto de Pinheiros – São Paulo – SP. Cep: 0546-000 – Tel.: (11) 3024-5199 – Site: www.santacruz.g12.br
Orientadora Educacional: Cynthia Otero Russo
Coordenadoras Pedagógicas: Regina Andrade Clara e Miriam Louise Sequerra
Professoras que participam do Projeto: Luciana de Oliveira Camargo, Marcela Machado Haddad, Carla Loureiro Conforti, Soraia Cristina M. Bonini, Raquel Maria Garboggini Di Giorgi, Rossana Ferreira Daibert, Maria Beatriz Lacombe Farina, Patricia Aldrighi de Lima, Vanessa Ferraresi, Fabiana do Amaral Ferreira e Patricia Junqueira de Andrade Delgado.

Para saber mais

  • “Calendários e o Fluxo do Tempo”, Revista Scientifc American Brasil. Edição no 7 – dez/02. www2.uol.com.br/sciam
  • História do Calendário, de Hernâni Donato. Edições Melhoramentos. Tel.: (11)3874-0800
  • Tratado de Astronomia, de Plinio Alves Monteiro Tourinho,Vol. II, págs. 598-608, Gráfica Mundial Ltda. Tel.: (31) 3551-5054

avisala_25_sustanca2


Este conteúdo faz parte da Revista Avisa lá edição #25 de Janeiro de 2006. Caso queira acessar o conteúdo completo, compre a edição em PDF ou impressa através de nossa loja virtual – http://loja.avisala.org.br

Posted in Revista Avisa lá #25, Sustança and tagged , , , , , , , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.