Alguém morou aqui antes de nós

Os índios, primeiros habitantes do Brasil, tiveram grande influência em nossa formação cultural e social. No entanto, conhecemos pouco das diferentes etnias que povoaram nossas terras. Mesmo nas cidades que se originaram de povoações indígenas, pouco se sabe sobre quem eram essas pessoas e como viviam . Este é o caso da cidade paulista de Embu das Artes ou melhor M’Boy, aldeia original dos índios guaranis. Diante disso, educadoras da creche Emília, no Embu, propuseram às crianças estudar um pouco do passado desses povos que habitaram o Brasil muito antes das caravelas portuguesas aportarem aqui, 500 anos atrás.

Ilustração: Silvana Augusto sobre desenho das crianças

As crianças demonstraram possuir muitos conhecimentos, mas vimos que podíamos ampliá-los
(Ilustração: Silvana Augusto sobre desenho das crianças)

Os índios guaranis foram os primeiros a habitar as terras do Embu, no entanto, nossas crianças só ouviam falar deles no dia 19 de abril, e ainda assim tinham na maioria da vezes informações estereotipadas que não condiziam com a atual condição de nossos índios. Por isso, pensamos ser de grande importância pesquisar com as crianças, moradoras desse município, as marcas deixadas pela cultura indígena, relacionando-a com o nosso cotidiano.

Para dar início ao projeto, partimos do que as crianças já sabiam sobre os índios, as hipóteses que elas tinham sobre o assunto:

– O índio também tem mulheres e morava aqui no Embu e aí foram para outra selva. Selva é só mato e o índio também come carne e bebe água – comentou Grasiele numa de nossas conversas.

– Os índios não falam a nossa língua, eles têm filhos e mulheres e ficam sem blusa e sem sutiã – disse Larissa.

– Os índios tomam banho no rio – completou Karoline.

– Índio come mandioca e a Bianca falou que eles comem peixe – observou Rodrigo.

– Eles pegam flecha para caçar e comem frutos do mato – disse Jéssica.

– O índio tem casa para ficar morando – disse Wanderson.

– É uma cabana e faz com pano e pau – completou Milton.

As crianças demonstraram possuir muitos conhecimentos, mas vimos que podíamos ampliá-los pesquisando, buscando, crianças e adultos, mais informações. Estávamos em polgados, na esperança de encontrar algo substancial da cultura indígena em nossa cidade. Propusemos então às crianças uma investigação desse assunto. Entre as etapas percorridas nesse trabalho, vale citar o estudo do mapa do município, que é portador de muitas informações, visitas ao museu do Embu e ao Museu de Antropologia e Etnologia da USP, leitura e apreciação de lendas e livros de história indígena, confecção de instrumentos musicais típicos, apreciação do artesanato local, utensílios e outros objetos indígenas, escuta e fruição dos cantos, culinária de alguns alimentos como o chibé e outros que podiam ser comparados com muitos de nossos alimentos.

Tanta pesquisa, leitura de livros, de imagens e debates entre as crianças e os adultos da creche nos mostraram que o índio é uma pessoa real, que existe no mundo e não apenas nas páginas dos livros de histórias, diferente das figuras estereotipadas que sempre aparecem nos desenhos animados, livros didáticos, etc.

Contudo, descobrimos também que infelizmente nada, ou quase nada, ficou da cultura indígena no nosso município: ninguém sabe que a nação indígena que viveu na região é a Guarani, e que o nome Embu é de origem indígena. O dono do restaurante de comida típica, que oferecia pratos indígenas, desistiu de fazê-lo porque, segundo ele e outros comerciantes, índio não faz sucesso com turista. Apenas algumas ruas receberam nomes tupi-guaranis , mas não há mais nada de marcante ou que lembre de fato que os índios estiveram por aqui.
O trabalho com as crianças desvelou parte da história esquecida e possibilitou que outras pessoas conhecessem mais, apreciando o material produzido na exposição de encerramento do projeto.

Não existe o “índio” brasileiro, mas diferentes culturas indígenas

“Somos iguais e diferentes. Iguais no corpo, na inteligência e no respeito. Diferentes na língua, no jeito, no costume. Somos todos iguais e diferentes: índios, negros e brancos.”

(Professores indígenas do Acre – Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas/MEC)

“O Brasil é uma nação constituída por grande variedade de grupos étnicos, com histórias, saberes, culturas e, na maioria das situações, línguas próprias. Tal diversidade sociocultural é riqueza que deve ser preservada. (…) Cada povo indígena que vive hoje no Brasil é dono de universos culturais próprios. Sua variedade e sua originalidade são um patrimônio importante não apenas para eles próprios e para o Brasil, mas, de fato, para toda a humanidade. São mais de 200 os povos indígenas que vivem hoje no Brasil. Falam mais de 170 línguas diferentes (muitas tão diversas e incompreensíveis entre si quanto o português e o chinês) e seus territórios localizam-se por todo o país. Além das diferenças relativas à língua, ao modo de viver (de organizar-se socialmente, economicamente, politicamente) e de pensar (sobre o mundo, sobre a humanidade, a vida e a morte, o tempo e o espaço), têm memórias de percursos e experiências históricas diversas, de seus contatos com outros povos indígenas e não-índios. Da reflexão sobre essas trajetórias, de suas teorias sobre o cosmos e sobre os seres, dos significados que construíram para as coisas e os acontecimentos, nascem diferentes visões de mundo, expressas na arte, na música, nos mitos, nos rituais, nos discursos. Esse é um processo sem fim. Culturas e línguas são frutos da herança de gerações anteriores, mas estão sempre em eterna construção, reelaboração, criação, desenvolvimento. O respeito ao direito, à diferença – exigido no Brasil pela Constituição Federal – é o principal recurso para a continuidade do processo de construção desse patrimônio vivo, sempre renovado em seus conteúdos e possibilidades e de valor inestimável.”

(Multietnicidade, Pluralidade e Diversidade – Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas, MEC, pág. 22)

 

Leitura: Mitos e lendas indígenas

Desenho: Tales

“Enfim, quando se mergulha no mundo dos mitos e lendas, é importante não só apontar as semelhanças estruturais das histórias narradas pelo mundo
afora, mas também ressaltar as variantes, as diferenças e os ensinamentos que elas podem conter.” Quer ouvir uma história? Lendas e Mitos no Mundo da Criança, Heloísa Pietro.
Desenho: Tales

Lendo mitos de um povo podemos conhecer mais sobre sua cultura. Existe no mercado editorial uma boa oferta de livros que trazem esses textos adaptados para o público infantil. Porém, muitos textos foram exageradamente simplificados, infantilizados e descaracterizados. Dessa forma, informam pouco, ou, o que é pior, informam mal, às vezes até mesmo reforçando o preconceito. Além disso, existem mitos mais e menos adequados para informar sobre diferentes povos. Os mitos não pretendem dar explicações científicas sobre os mistérios da natureza; eles
servem para ordenar a vida das pessoas em comunidade e para representar um determinado tipo de comportamento.

Esses comportamentos são bastante variados, por isso, um mito, que pode dizer muito sobre um determinado povo indígena, pode não significar nada sobre
outro povo qualquer. Nesses casos, é melhor selecionar previamente um repertório pequeno, apostando na qualidade e não na quantidade da leitura. É interessante ressaltar nessas narrativas fatos antropológicos, características e curiosidades a respeito da etnia como o casamento, a moradia, as festas e relatos das ações cotidianas da vida do povo que se quer estudar. Nossa bibliografia sugere algumas leituras, dentre elas, “Histórias de Índio”.

Uma boa dica de leitura…

Histórias de Índio, editado pela Companhia das Letrinhas. Escrito por um “índio de verdade” – Daniel Munduruku –, o livro traz à tona a questão da diferença entre a cultura indígena (mais especificamente a da tribo Munduruku) e a dos brancos, mas sem cair no pitoresco nem infantilizar ou menosprezar a figura do índio. Histórias de Índio tem três partes, três tipos de texto que enfocam de maneira diversa temas do universo indígena. De forma poética e delicada, na primeira parte do livro, o autor descortina aspectos da cultura munduruku a partir da história de Kaxi, um menino que é preparado para ser o pajé dessa tribo. Trata-se do conto “O menino que não sabia sonhar”. De forma bem-humorada e incisiva, Daniel Munduruku apresenta, na segunda parte do livro, crônicas e depoimentos que nos fazem pensar sobre as relações que nossa cultura tem com o índio, como ele pode ser vítima de nosso desconhecimento e de formas preconcebidas e preconceituosas de encarar seus jeitos de expressar e de saber. A leitura dessas crônicas pode ser um bom começo de conversa, afinal de contas, quem é que nunca se pegou numa visão um tanto estereotipada do índio, tal qual os personagens das crônicas de Daniel?
Na terceira e última parte do livro, o autor oferece ao leitor um rápido panorama da questão indígena no Brasil, focalizando aspectos de sua variada cultura (cada grupo ou tribo possui características distintas) e discutindo temas relativos à preservação de seus valores e de sua civilização. O texto, que traz informações claras sobre o tema, é um bom estímulo para futuras pesquisas. Fruição, conversa e trabalho podem ser os desdobramentos dessas Histórias de Índio, um texto sério, uma edição bem-cuidada e enriquecida pelos belíssimos desenhos da ilustradora Laurabeatriz. Bom trabalho!

(Ana Carolina de Carvalho)

Munduruku, Daniel. Histórias de Índios; ilustração Laurabeatriz / São Paulo;
Companhia das Letrinhas. Número de páginas:71; preço no catálogo: R$21,00

Ficha Técnica

O projeto Presente de Índio foi realizado na creche Maria Emília, Embu, São Paulo, de agosto a dezembro de 1999, e dele participaram as professoras Regina Alves L. Oliveira, Renata da Silva Pinto e Sueli dos Santos Bispo, sob coordenação de Regiane Marques. Apoio: Instituto C&A.

Ponto de vista

“Na creche Meu Abacateiro, onde trabalho, desenvolvi um projeto parecido. Eu quis mostrar às crianças como os índios convivem com os animais num determinado ambiente. Não só a diversidade cultural, mas também a interação com a vida natural, a diversidade da vida e dos ambientes e o respeito pela natureza. A vida humana é assim, um ambiente determina muitos hábitos e marca a cultura de um povo. Para as crianças pequenas que estão aprendendo sobre diferentes papéis sociais, sobre como as sociedades se organizam, é importante e interessante mostrar culturas diferentes da nossa. Saber como se organiza a vida humana e a cultura em outros ambientes.”

(Sônia Maria Boaventura da Silva)

 

Para saber mais:

  • Tuparis e Tarupás. Betty Mindlin, ed. Edusp, São Paulo, tel: (0XX11) 813-8837 / 818-4156 / 818-4160.
  • Terra Grávida. Betty Mindlin, ed. Rosa dos Tempos, Rio de Janeiro, tel: (0XX21) 585 2000.
  • A Questão Indígena na Sala de Aula. Aracy Lopes da Silva, ed. Brasiliense, São Paulo, tel: (0XX11) 218-1488.
  • A Temática Indígena na Escola. Aracy Lopes da Silva e Luis Grupioni, MEC / UNESCO, Brasília, fax: (0XX61) 410-9274.
  • Sociedades Indígenas. Alcida Ramos, ed. Ática, São Paulo, tel: (0XX11) 3346-3346
  • Xingu, Os Contos do Tamoim. Claudio e Orlando Villas Boas, ed. Kuarup, São Paulo, tel: (0XX11) 831-3412.
  • Os índios, seus mitos. Claudio e Orlando Villas Boas, São Paulo, ed. Kuarup, tel: (0XX11) 831-3412.
  • Índios do Brasil. Luiz Donizete e Bagi Grupioni, ed. Global, São Paulo, tel: (0XX11) 3277-7999.
  • Contos e Lendas para as Crianças da América Latina. vários autores, ed. Ática, São Paulo, tel: (0XX11) 3346-3346.
  • Histórias de Índio. Daniel Munduruku, ed. Cia das Letrinhas, São Paulo, tel: (0XX11) 866 0801 / 866 0814.
  • Ticuna: O Livro das Árvores. Jussara Gruber, tel: (0XX61) 468-2620.
  • A História dos Índios do Brasil. Manuela Carneiro da Cunha, Cia. das Letras, São Paulo, tel: (0XX11) 866-0801 / 866-0814.
  • Ser Índio Hoje. Katsue Hamada e Zenum, ed. Loyola, São Paulo, tel: (0XX11) 6914-1922.
  • Wamrêmé Za’ra – Nossa Palavra: Mito e História do Povo Xavante. Sereburã, Hipru, Rupawê, Serezabdi e Sereñimirãmi, ed. Senac, São Paulo, tel: (0XX11) 884-8122, 884-6575, 889-9294.
  • Os Primeiros Habitantes do Brasil, coleção A Vida no Tempo. Norberto Luis Guarinello, ed. Atual, São Paulo, tel: (0XX11) 5071-2288.

Na rede:

CDs:

  • Ihu todos os sons, Marlui Miranda, Eldorado.
  • Ihee 2 Kewere, Marlui Miranda, Eldorado.
  • Pau Brasil, Marlui Miranda, Eldorado.

Este conteúdo faz parte da Revista Avisa lá edição #3 de abril de 2000. Caso queira acessar o conteúdo completo, compre a edição em PDF ou impressa através de nossa loja virtual – http://loja.avisala.org.br

Tags: , , , , , , , ,

Trackback from your site.

Leave a comment

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Fazemos Parte

Facebook

Google+