AVISA LÁ INDICA: 30 LIVROS SELECIONADOS PELAS FORMADORAS DO AVISA LÁ

As formadoras do Avisa Lá indicam!

1. PRIMEIRAS ESTÓRIAS – JOÃO GUIMARÃES ROSA

As histórias percorrem múltiplos temas, apresentando diversas situações, problemas e soluções. Com diferentes tipos de conto: o fantástico, o psicológico, o autobiográfico, o anedótico, o satírico, o jovem Guimarães, cria narrativas curtas, com uma unidade e potência inesquecível. Um mundo de geografia e linguagens mais expressivas que discursivas. Ler é caminhar por inesperadas terceiras margens.
Ed. Nova Fronteira, 1985 “Indico porque esse foi um dos textos que me tocou profundamente, além de me intrigar pelo tipo de escrita. Guimarães Rosa revela o poder das palavras e como elas podem gerar sempre muitas interpretações”. Denise Nalini

2. FELICIDADE CLANDESTINA – CLARICE LISPECTOR

O livro que reúne 25 contos temas muito especiais para a autora, que fala nesse livro sobre angústias da infância, da adolescência e das intrincadas relações com a família. “Felicidade clandestina” é o primeiro conto. Narrado na primeira pessoa, trata de como a leitura pode ser uma conquista difícil e ao mesmo tempo um dos maiores prazeres por toda a vida.
     Ed. Rocco, 1971 “Clarice foi quem me conduziu à leitura, a forma sensível que escreve, o cuidado e detalhamento com que descreve os fatos fazem com que eu mergulhe na leitura e nada me interrompa. Indico porque acho que é um direito de todos conhecer pelo menos uma obra de Clarice Lispector”. Débora Rana.

3. DOIS IRMÃOS – MILTON HATOUM

Dois irmãos é a história de como se constroem as relações de identidade e diferença numa família em crise. O enredo desta vez tem como centro a história de dois irmãos gêmeos – Yaqub e Omar – e suas relações com a mãe, o pai e a irmã. Moram na mesma casa Domingas, empregada da família, e seu filho. O lugar da família se estende ao espaço de Manaus, o porto à margem do rio Negro: a cidade e o rio, metáforas das ruínas e da passagem do tempo, acompanham o andamento do drama familiar. Prêmio Jabuti 2001 de Melhor Romance.
Cia. de Bolso, 2006 Indico porque é uma história interessante de uma família árabe em Manaus e da relacão entre dois irmãos”. Damaris Maranhão

4. O MAPA FANTASMA – STEVEN JOHNSON

Londres,1854, uma epidemia de cólera se espalhou pelos arredores em um ritmo avassalador, matando mais de 500 pessoas em apenas dez dias.

‘O Mapa Fantasma’ narra a história da luta de dois homens contra a cólera. Sem contar com instrumentos microscópicos capazes de identificar a origem da doença, enfrentaram uma mentalidade científica tão disseminada quanto equivocada, bem como políticas públicas que, em vez de solucionar, alimentavam o problema.

Zahar, 2008 “Indico porque conta a história da cólera em Londres no século dezenove.” Damaris Maranhão

5. A CONTA-GOTAS – ANA CAROLINA CARVALHO

A conta-gotas, pacientemente, com persistência — foi desse modo que Olívia conheceu sua mãe. Ela tinha nove meses quando Laura fugiu de casa, deixando-a com o pai e a avó. Na família não se falava da figura materna, não havia uma fotografia, nenhum registro do passado, nada. Para desvendar esse segredo, Olívia teve de se virar, recolhendo vestígios nos lugares mais improváveis: nos cochichos da avó, na ruga do pai, no espelho do quarto, na antiga cadeira de balanço, na samambaia da varanda…
Edições SM, 2015 “Um livro para adolescentes e adultos que encanta pela delicadeza do texto e pela profundidade do tema. Um livro que emociona”. Helô Pacheco

6. VIVER PARA CONTAR – GABRIEL GARCIA MARQUEZ

Autobiografia do autor de ‘Cem anos de solidão’. Garcia Márquez narra sua vida na melhor tradição de seus emocionantes e perenes romances. Neste primeiro volume da autobiografia do Prêmio Nobel de Literatura, o leitor acompanhará as origens do realismo fantástico e da Colômbia, que ressurge na obra de Garcia Márquez em uma narrativa comovente sobre o início de sua carreira.
Record, 2013 “É um apaixonante relato dos tempos de infância e juventude, um romance de vida que abre generosas conexões com personagens e cenários de vários de seus livros.” Maria Virginia Gastaldi

7. CEM ANOS DE SOLIDÃO – GABRIEL GARCIA MÁRQUEZ

O autor narra a incrível e triste história dos Buendía – a estirpe de solitários para a qual não será dada ‘uma segunda oportunidade – e apresenta o maravilhoso universo da fictícia Macondo, onde acompanhamos as diversas gerações dessa família, assim como a ascensão e a queda do vilarejo. Para além dos artifícios técnicos e das influências literárias, ainda vemos em suas páginas o que por muitos é considerado uma autêntica enciclopédia do imaginário, num estilo que consagrou o colombiano como um dos maiores autores do século XX.
Record, 1998 “Macondo e a familia Buendia marcaram para mim um novo olhar sobre as histórias, sobre a literatura e até hoje considero que Cem Anos de Solidão, não perde a sua atualidade dadas todas as nossas necessidades humanas de busca pela realização de nossos desejos e pela vontade de viver que marcam a trajetória de diferentes gerações, nos 100 anos que o livro nos conta.

8. O HOMEM QUE AMAVA OS CACHORROS – LEONARDO PADURA

A história é narrada, no ano de 2004, pelo personagem Iván, um aspirante a escritor que atua como veterinário em Havana e, a partir de um encontro enigmático com um homem que passeava com seus cães, retoma os últimos anos da vida do revolucionário russo Leon Trotski, seu assassinato e a história de seu algoz, o catalão Ramón Mercader, voluntário das Brigadas Internacionais da Guerra Civil Espanhola e encarregado de executá-lo.
Boi tempo, 2013 Um livro que mistura ficção e fatos históricos e cria uma história muito envolvente”. Maria Paula Twiaschor

9. VITA BREVIS – JOSTEIN GAARDER

Gaarder volta a dramatizar a filosofia, desta vez virando do avesso a doutrina de santo Agostinho – vivíssima até hoje na moral cristã – numa hipotética réplica a suas Confissões.
Cia das Letras, 2009 A historia de santo Agostinho antes de entrar para o convento.
É lindo”. Ana Brentano

10. ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA – JOSÉ SARAMAGO

Um motorista parado no sinal se descobre subitamente cego. É o primeiro caso de uma “treva branca” que logo se espalha incontrolavelmente. Os cegos se perceberão reduzidos à essência humana, numa verdadeira viagem às trevas. Fantasia de um autor que nos faz lembrar “a responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam”, em uma imagem comovente de tempos sombrios, à beira de um novo milênio. Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu.
Cia das Letras, 1995 É um romance que traz uma visão dura e realista da Humanidade e, por todo ele, parece ressoar a moral do ditado popular: “O pior cego é o que não quer ver”. Beatriz Gouveia

11. O CONTO DA ILHA DESCONHECIDA – JOSÉ SARAMAGO

Um homem vai ao rei e lhe pede um barco para viajar até uma ilha desconhecida. O rei pergunta como pode saber que esta ilha existe, já que é desconhecida. O homem argumenta que assim são todas as ilhas até que alguém desembarque nelas. Este pequeno conto é um canto de otimismo em que a vontade ou a obstinação fazem a fantasia ancorar em porto seguro.
 Cia das Letras, 1998 “ Encanta-me a possibilidade do encontro, uma forma madura e poética de falar sobre o amor.” Alessandra Ancona de Faria

12. AS AVÓS – DORIS LESSING

Roz e Lil são amigas inseparáveis desde a infância. Cresceram, casaram, tiveram filhos, e vivem na paradisíaca bacia de Baxter, um lugar cercado de rochas por todos os lados. O ambiente protegido é o cenário ideal para uma relação cada vez mais simbiótica. Seus filhos tornam-se adolescentes encantadores queRoz e Lil não tardam a se envolver uma com o filho da outra. DorisLessing esmiúça as complexidades e armadilhas da ligação entre essas duas mulheres e retrata a força com que elas confrontam as convenções familiares e sociais de sua época.
Cia das Letras, 2007 “Uma história que ajuda a ver o lado humano das nossas diferenças. Muito bem escrita, surpreendente, narra a história de amigas, de mães e de amores entre gerações revelando mundos internos complexos e turbulentos”. Silvana Augusto

13. NO TEU DESERTO – MIGUEL SOUSA TAVARES

Um jornalista relembra uma travessia do deserto do Saara feita com uma garota quinze anos mais jovem. Durante quarenta dias, o narrador e Cláudia atravessaram as paisagens áridas do continente africano e viveram uma experiência marcante, que vai se projetar por muito tempo na vida de ambos. A viagem aconteceu em 1987 e o narrador se põe a contar a história vinte anos depois.
Cia das Letras, 2009 “Indico porque é uma das mais lindas histórias de amor que já li. Apesar de ter apenas um casto beijo fraternal, relata emoções poderosas entre um homem e uma mulher, com extrema delicadeza e profundidade”. Silvia Carvalho

14. CORDILHEIRA – DANIEL GALERA

Além de uma história de perdas, encontros e desencontros, “Cordilheira” é uma reflexão sobre vida, arte e seus limites. No texto o autor, fala da complexidade de ser mulher em tempos contemporâneos. Considerado pelo público e pela crítica uma das melhores surpresas da nova literatura brasileira.
Cia das Letras, 2008 “Indico pela delicadeza do texto que intercala o cotidiano e as decisões d a vida real aos pensamentos de uma mulher contemporânea e cheia de dúvidas”. Márcia Cristina

15. NÚ DE BOTAS – ANTONIO PRATA

Antonio Prata revisita as passagens mais marcantes de sua infância. As memórias são iluminações sobre os primeiros anos de vida do autor, narradas com a precisão e o humor. O que chama a atenção, contudo, é a peculiaridade do olhar. Os textos não são memórias do adulto, ao contrário, o autor retrocede ao ponto de vista da criança, que se espanta com o mundo e a ele confere um sentido muito particular – cômico, misterioso, lírico, encantado.
Cia das Letras, 2013 Um livro de crônicas permeadas de humor. Vale muito a pena ler!” Érica de Faria

16. ANTES DE NASCER O MUNDO – MIA COUTO

Jesusalém, ermo encravado na savana, em Moçambique, ali, ensaiam um arremedo de vida: Silvestre e seus dois filhos, Mwanito e Ntunzi, mais o Tio Aproximado e o serviçal Zacaria. O passado para eles é pura negação recortada em torno da figura da mãe morta em circunstâncias misteriosas. E o futuro se afigura inexistente.Mas um belo dia os donos do mundo voltarão para reivindicar a terra de Jesusalém. E não só isso: uma bela mulher também virá para agitar a inércia dos dias solitários daqueles homens.
Cia das Letras, 2009 “Foi o primeiro livro que li desse autor e me apaixonei pelo jeito poético que ele escreve. O romance é envolvente e traz muitas reflexões sobre as relações familiares”. Juliana Lichy

17. O FIO DA MISSANGA – MIA COUTO

A missanga, todos a veem. Ninguém nota o fio que, em colar vistoso, vai compondo as missangas. Também assim é a voz do poeta: um fio de silêncio costurando o tempo. É assim que o personagem do conto define sua existência. Fazendo jus a essa delicada metáfora, as histórias aqui agrupadas aliam carga poética singular à forma abrangente do livro como um todo – vale dizer, ao colar em questão. Com um texto de intensidade ficcional e condensação formal raras na literatura contemporânea.
Cia das Letras, 2009 De maneira delicada, poética e envolvente o autor adentra o universo feminino dando voz e tessitura à almas condenadas à não-existência e ao esquecimento e aborda temas que expressam, de maneira brilhante, a natureza humana”. Camila Schiavo 

18. O FÍSICO – NOAH GORDON

O drama de um homem dotado do poder quase místico de curar, que tem a obsessão de vencer a morte e a doença, é aqui contado desde o obscurantismo e a brutalidade do século XI na Inglaterra ao esplendor e sensualidade da Pérsia, detalhando a idade de ouro da civilização árabe e judaica.
Ed. Rocco, 2013 “Esse livro é muito especial, eu sempre indico, porque nos ajuda a refletir sobre os limites e avanços da ciência”. Elza Corsi

19. ACQUA ALTA – DONNA LEON

Num chuvoso domingo de inverno, a arqueóloga americana Brett Lynch recebe uma inesperada visita no apartamento que divide com a namorada – a cantora lírica Flavia Petrelli – e acaba brutalmente espancada. O comissário Guido Brunetti, velho conhecido da diva do Scala, assume o caso e, com a ajuda de um pintor econnoisseur, desvenda os códigos internos do mercado de antiguidades e uma complexa rede de negociações espúrias. A ficção policial vai além de vítima e criminoso, tirando proveito do contexto sociopolítico e dos mistérios e charme de sua cidade cenário.
Cia das Letras, 2009 Adoro um policial. Este é de perder o fôlego logo na primeira página. Um romance policial em Veneza! Inusitado e intrigante. Eliana Sisla

20. A SOMBRA DO VENTO – CARLOS RUIZ ZAFÓN

O pai de Daniel lhe dá de presente de aniversário, a uma biblioteca secreta que funciona como depósito para obras abandonadas, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um livro de Julián Carax que desperta no jovem um enorme fascínio. Obcecado, começa uma busca por outros livros de Carax e descobre que alguém vem queimando sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que o autor já escreveu.
Objetiva, 2007 Esta leitura nos revela explicitamente o encantamento que podemos ter pelos livros. Tudo começa com um livro escolhido no “cemitério dos livros esquecidos” e a partir de então uma busca incessante do personagem principal por descobrir tudo sobre a vida do autor que é cercada de mistérios. Uma leitura contagiante! Mariana Americano

21. PEIXE DOURADO – LE CLEZIO, JMG

A vida de Laila, uma menina roubada da família no Saara ocidental, espancada a ponto de perder parcialmente a audição e vendida no Marrocos. A compradora se torna para a menina ao mesmo tempo dona e avó. Quando a velha morre, oito anos depois, Laila se vê solta no mundo e pode voltar para casa, mas um par de brincos em forma de meia-lua é tudo o que a liga a seu povo.
“Esse romance narra o intenso movimento de uma menina em busca de suas origens. A sua inquietude nos faz pensar sobre o sentido do ser humano se conhecer a partir de suas raízes. Uma bela e emocionante história.” Clélia Cortez

22. MRS DALLOWAY – VIRGINIA WOOLF

‘Mrs. Dalloway’ conta a história de um dia na vida de uma dama de nobre linhagem – Clarissa Dalloway – casada com um deputado conservador e mãe de uma adolescente. Através de um retrato perspicaz de paisagens e sentimentos, Virginia Woolf observa a alta sociedade londrina do início da década de 1920 e conduz sua personagem a uma pungente viagem interior.
Nova Fronteira,
2015
“Esse livro me tocou pois aos poucos, no decorrer da leitura, fui envolvida por uma poética ficcional que desmonta as noções de realidade mais convencionais de um romance. Ao acompanhar um dia na vida de Clarissa Dalloway, os saltos abruptos da narrativa me faziam imaginar cenas de um filme. Fui arrebatada pela maneira como a autora nos aproxima dos fluxos de consciência dos personagens”. Cinthia Manzano

23. A SOCIEDADE LITERÁRIA E A TORTA DE CASCA DE BATATA – MARY ANN SHAFER

A sociedade literária e a torta de casca de batata’ foiescrito pela bibliotecária e livreira que estreou na literatura com mais de 70 anos, Mary Ann Shafer, com apoio da sobrinha, Annie Barrows, o livro é uma celebração da vida através da literatura.
Rocco, 2009 “Um romance epistolar delicioso passado nas ilhas Guernsey, no Canal da Mancha, após a Segunda Guerra Mundial”. Edi Fonseca

24. A CASA DOS ESPÍRITOS – IZABEL ALLENDE

 “A casa dos espíritos” conta a saga da turbulenta e numerosa da família Trueba, do Chile, com o seu patriarca angustiado e suas mulheres clarividentes. Num panorama da história chilena que vai de 1905 a 1975, desfilam personagens como EstebanTrueba, latifundiário e senador; Clara, sua mulher clarividente e Alba, sua neta, jovem, socialista e, portanto, adversária do patriarca e de seus cúmplices.
Bertrand Brasil, 2005 ““A historia de três gerações de mulheres recheadas de magias. Enquanto lia pensava na minha vó, na mãe, nas filhas e todas as mulheres que transmitem seus afetos e mistérios pelas histórias das familias” Teresa Carvalho

25. MORTE EM VENEZA – THOMAS MANN

Uma das novelas exemplares da moderna literatura ocidental. A história do escritor Gustav von Aschenbach, que viaja a Veneza para descansar e lá se vê hipnotizado pela beleza do jovem polonês Tadzio. A novela tem diversos traços autobiográficos e está centrada na relação entre artista e sociedade, um tema muito caro à obra de ficção do escritor, sobretudo nos primeiros
Cia das Letras, 2015 “Li na juventude e reli várias vezes; esse livro revela para mim o sentido da arte e a delicadeza da vida” Walkyria Dias

26. OS AMORES DIFÍCEIS – ITALO CALVINO

Mestre da narrativa curta, aqui Italo Calvino parece revisitar a obra de Maupassant e Tchekhov, porém o mais importante para ele é sempre um desenho geométrico, um jogo combinatório, uma estrutura de simetrias e oposições, um tabuleiro de xadrez em que os movimentos das peças brancas e negras dialogam em cadência de balé.
Cia das Letras, 1992 “Um dos meus livros preferidos.  Revelando situações banais ou inusitadas, Italo Calvino nos conta sobre a aventura de uma banhista (que perde a parte de baixo do biquíni em uma praia lotada), a aventura de um míope (que experimenta tirar os óculos e viver o mundo de um novo jeito, entre outros. Com esses contos que falam de todos nós, Italo Calvino nos empresta seu olhar delicado e bem-humorado para a vida. Imperdível!”  Ana Carolina Carvalho

27. MUITO LONGE DE CASA – ISHMAEL BEAH

Nos mais de cinquenta conflitos em curso na atualidade, estima-se que haja cerca de 300 mil crianças envolvidas diretamente. IshmaelBeah era uma delas. Beah conta uma história pungente: aos doze anos fugiu do ataque de rebeldes e vagou por uma terra arrasada pela violência. Aos treze, foi recrutado pelo exército do governo de Serra Leoa e descobriu que era capaz de atrocidades inimagináveis. Este é um relato raro e hipnotizante, contado com força literária e uma honestidade de cortar o coração.
Cia de Bolso, 2015 “Biografia de um menino soldado do exército da Serra Leoa e que mostra o poder da Educação na transformação e na reconstrução da história, das memórias e da identidade de pessoas que viveram as mais duras e dolorosas experiências na vida”. Camila Schiavo 

28. COMO ÁGUA PARA CHOCOLATE – LAURA ESQUIVEL

Com o subtítulo ‘romance em fascículos mensais com receitas, amores e remédios caseiros’, tudo gira em torno da cozinha. Cada capítulo é aberto com uma extraordinária receita, em torno da qual não só se aglutinam os comensais, como também se “cozinham” e “coalham” amores e desamores, risos e prantos. Em suma, uma cozinha – espaço e função – onde se celebra o triunfo da alegria e da vida sobre a tristeza e a morte.
Martins Editora,
2015
“Li na minha adolescência, mas nunca esqueci. Lindo e delicado como a personagem Tita, mas forte e sofisticado do ponto de vista das emoções e sentimentos que faz aflorar”. Ana Lucia Bresciane

29. LUGAR NENHUM – NEIL GAIMAN

Lugar Nenhum é o primeiro romance de Neil Gaiman, autor de Coraline e Sandman. Publicado pela primeira vez em 1997.

O protagonista Richard Mayhew é um jovem escocês que vive uma vida normal em Londres até que, de repente, após ajudar uma jovem ferida, vê seu futuro previsível desmoronar e fugir ao controle. Richard descobre que existe um outro mundo embaixo dos seus pés na parte subterrânea da cidade de Londres e é para lá que ele vai. Londres de Baixo é uma espécie de labirinto subterrâneo, com canais de esgoto e estações de metrô abandonadas, onde vivem seres estranhos: monstros, assassinos, criaturas mágicas, monges.

Editora Conrad, 2007 “Lugar Nenhum é daqueles livros que queremos prolongar ao máximo a leitura. Muitos dizem que é a versão londrina de Alice no País das Maravilhas. Vale cada página.” Priscila Monteiro

30. ANTES DO BAILE VERDE – LYGIA FAGUNDES TELLES

Os dezoito contos reunidos em ‘Antes do Baile Verde’ procuram examinar com olhar ao mesmo tempo crítico e solidário os mais variados destinos humanos. Neste livro, descortinam-se conflitos amorosos, descobertas, e a tensão entre o desejo e a consciência moral. O conto que dá nome ao livro conta a história de uma menina enfrentando o dilema de acompanhar os últimos minutos de vida de sua mãe ou correr para a rua em tempo de aproveitar o tão esperado Baile de Carnaval.
Cia das letras, 2009 “O livro reúne os mais famosos contos da autora. O nome do livro é o nome do conto que conta a história de uma menina enfrentando o dilema de acompanhar os últimos minutos de vida de sua mãe ou correr para a rua em tempo de aproveitar o tão esperado Baile de Carnaval.” Silvana Augusto

Leave a comment

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.

Fazemos Parte

Facebook

Google+