Espelhos

Sabemos que ler diariamente na escola é fundamental, mas serve qualquer livro? Veja aqui a discussão a distância entre profissionais de educação sobre critérios de escolha de acervo literário para crianças

Temi-os, desde menino, por instintiva suspeita. Também os animais negam-se a encará-los, salvo as críveis excepções. Sou do interior, o senhor também; na nossa terra, diz-se que nunca se deve olhar em espelho às horas mortas da noite, estando-se sozinho. Porque, neles, às vezes, em lugar de nossa imagem, assombra-nos alguma outra e medonha visão.
João Guimarães Rosa. Primeiras estórias. (1962)

Foto: CEMEI Profª Carolina Ferreira Lima (SME Apiaí–SP)

Foto: CEMEI Profª Carolina Ferreira Lima (SME Apiaí–SP)

Neste trecho de Guimarães Rosa fica claro que a ação de se olhar em um espelho, além de ocupar um lugar na história da civilização, tendo iniciado sua existência nas superfícies das águas, também ocupa lugar no imaginário das pessoas. O espelho tem sido personificado na literatura, na mitologia, nas crendices populares, em provérbios e pensamentos. Poderíamos escrever um livro de muitos capítulos sobre esse tão importante objeto e sua relação com o ser humano, mas, para nós, ele pode ser visto a partir de outro prisma, o de ser um utensílio importante para a educação.

Fazemos Parte

Facebook

Google+