Formando alunos escritores

Formadoras relatam sua prática junto aos supervisores para desenvolver a competência de produção textual pelos alunos. Também em formação, elas próprias têm a chance de refletir e rever suas propostas
avisala_32_formando2.jp

Fotos: Assecom

No município mato-grossense de Sinop, a formação continuada das supervisoras e professores1 é desenvolvida por meio do projeto “Formando Formadores para Desenvolver a Competência na Produção Textual”, que tem o apoio do Programa Além das Letras2. Já no terceiro encontro, em junho deste ano, desenvolvemos uma proposta com atividades práticas e bastante reflexivas. Desde o início, esta reunião foi um pouco diferente das duas outras formações, pois a leitura realizada pelo formador no encontro anterior teve continuidade neste. As supervisoras estavam ansiosas para saber o final da história, e três delas confessaram não ter segurado a curiosidade e entraram na internet para descobrir o desfecho da crônica “Os Noivos”, de Nelson Rodrigues.Continue lendo >

Voando alto

O estudo das aves dá asas à imaginação, desperta a curiosidade e estimula o conhecimento das crianças. Nesse percurso, a produção de desenhos contribui para a observação e a pesquisa da turma
passaros8.jpg

Desenhos feitos pelas crianças do pré 2, do Colégio Santa Cruz e ilustrações de pássaros retiradas do livro Brasil 500 Pássaros, Eletronorte, 2000

Ao longo de um semestre, os alunos do Pré 2, com 5 anos de idade, estudaram as aves. As propostas desenvolvidas durante esse período favoreceram rodas de conversa, atividades de observação e registro, além de pesquisas e muitas descobertas. Como sabemos, do estudo nascem dúvidas, e com este assunto não foi diferente: as crianças trouxeram para as conversas suas certezas, fizeram conjecturas e demonstraram curiosidades que desencadearam um movimento de observação e pesquisa acerca do mundo das aves:Continue lendo >

O educador e os bebês

Que educador não é igual a mãe, todo mundo sabe, mas por que essa idéia sempre retorna quando o assunto é bebê e creche? Qual o papel daquele que se ocupa diariamente das crianças pequenas? Ser professor de bebês é uma especialidade diferente dos demais profissionais da educação?
avisala_32_tema3.jpg

Foto: Marcelo Carvalho

Essas foram algumas das perguntas que surgiram durante uma investigação1 sobre a relação entre o bebê e o educador de berçário, aquele que dele se ocupa no cotidiano da creche. O ponto de partida foi a certeza de que a creche tem um papel importante nos primórdios da vida do bebê, ou seja, a crença de que ir cedo para uma instituição, além de uma realidade atual, é um acontecimento que tem sua contribuição específica na formação dessa criança. Na unidade de educação, um bebê mobiliza sentimentos, expectativas, modificações ambientais, cuidados específicos. O educador que dele se encarrega, envolvido nesta mobilização, a ele dirige seu olhar, sua atenção, com ele se aflige, se alegra, vive diferentes sentimentos. Por ele, busca novos conhecimentos, defende sua posição profissional dentro da creche. No nosso imaginário, assim como no de nossa cultura, os bebês são criaturas a serem admiradas e cuidadas. A eles, são dirigidas gracinhas, caretas expressivas, palavras em tom diferenciado e muitas vezes no diminutivo, há vontade de tocá-los e de estreitá-los no peito. Sabemos que esses sentimentos não são gerais, pois os bebês também dão “medo de pegar”, por sua fragilidade, e angustiam, por sua extrema dependência. É em função dessa diversidade que é possível ouvir comentários diferentes sobre o tema, como:Continue lendo >

Por dentro da moda

As roupas, os sapatos e acessórios contam muito sobre uma cultura e um tempo histórico. Por isso, constituem um rico material de investigação para as crianças de todas as idades
avisala_32_moda3.jpg

Caixas de leite viram sapatos (fotos do desfile das crianças: Flávia Cunha Lima)

O mundo natural e social é campo de investigação para os cientistas, mas, sobretudo, para as crianças, que têm o frescor da dúvida, da inquietação, da curiosidade, do desejo de conhecer. As crianças pequenas possuem muito interesse acerca do mundo em que vivem, portanto, é preciso que a escola corresponda às expectativas infantis e dê respaldo às suas inquietudes e investigações.

As situações de aprendizagem devem proporcionar um caldo cultural fértil, capaz de aguçar ainda mais o desejo das crianças de construir explicações para o mundo. Na Educação Infantil, a aproximação das crianças com alguns procedimentos investigativos próprios das ciências naturais e sociais traz ótimos frutos1. Portanto, é necessário auxiliá-las na formulação de perguntas e explicações sobre o universo a ser conhecido; na utilização de diferentes fontes de informação; na busca por conhecimento em locais específicos, tais como bibliotecas, museus; na leitura e interpretação de registros, como desenhos e fotografias.

Além disso, fazer com que a criança aprenda a registrar informações (utilizando desenhos, textos orais ditados ao professor, comunicação oral registrada no gravador etc.) contribui para que ela valorize o conhecimento. Esses procedimentos são ferramentas importantes para a formação desses pesquisadores mirins, que têm um jeito muito particular de ver o mundo, repleto de relações criadas segundo sua ótica, que é simbólica e lúdica por natureza.Continue lendo >

A criança como real interlocutora

Estar atento ao que a criança pequena fala, sente, pensa e observar suas ações é garantia para uma educação de qualidade
avisala_32_reggio3.jpg

Desenhos: acervo Reggio Children

Confesso que antes de ver pessoalmente as escolas de Educação Infantil da cidade de Reggio Emilia, no norte da Itália1, tive dúvidas em relação à utilidade desta viagem onerosa, e também acerca do tempo que seria gasto, já que este é um bem precioso nos dias de hoje. Conhecia a proposta já há tempos, tanto pelo material publicado, como por meio de cursos e seminários no Brasil, e também por uma visita a algumas escolas americanas que se inspiram no sistema educacional desta região da Itália. Porém, ao visitar, em maio de 2007, a primeira instituição de uma série de 5, nenhuma dúvida permaneceu. Compreendi a importância de estar presente, de sentir os espaços, de ver as crianças se relacionando entre si, com os adultos e os objetos.Continue lendo >

De braços abertos

Acolher bem as crianças e suas famílias desde o primeiro momento exige atenção e preparo de toda a equipe da escola, e pode trazer resultados surpreendentes
avisala_32_jeitos1.jpg

Organizar pequenos grupos para conhecer as novidades produziu um efeito positivo no uso dos ambientes (Fotos: arquivo EMEI J. G. de Araújo Jorge)

Quando recebemos a tarefa de pensar no acolhimento de nossas crianças para 2007, nos sentimos muito atraídas pelo desafio. Isto porque, olhando, lendo, sentindo o material que nos foi fornecido sobre o tema pelo Programa Capacitar na Educação Infantil1 tivemos a sensação de que “finalmente”, havíamos encontrado a porta para entrar no novo ano “com o pé direito”.Continue lendo >