Santander e Instituto Avisa Lá lançam Guia Gratuito para Educação Infantil

Acesse o Guia em https://goo.gl/seqnMe

Programas

Formar em RedeCapacitarDiretrizes em AçãoAlém das LetrasAlém dos Números Memória Local

Cursos Avisa Lá

Seguindo sua proposta diferenciada já testada em 32 anos de formação continuada de profissionais de educação infantil e ensino fundamental (séries iniciais) a equipe do Avisa Lá desenvolve cursos, oficinas e consultorias em seu ambiente virtual de aprendizagem.

Conheça Mais

Publicações

A revista Avisa lá é uma publicação editada pelo INSTITUTO AVISA LÁ. Sua meta é contribuir para a formação de professores de Educação Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental. É totalmente voltada para o desenvolvimento profissional permanente e dá voz aos principais atores da escola: crianças, educadores e seus formadores.

Artigos disponíveis | Compre as revistas avulsas

Formadoras do Avisa Lá indicam livros para presentear ou ler nas férias!

1 – AVENIDA DOS MISTÉRIOS – John Irving
Como o título antecipa, não faltam mistérios em meio a eventos estranhos da suposta realidade e sonhos que recuperam a vida do personagem principal. Nele vamos conhecendo mais sobre os costumes do México, sobre a religiosidade e a vida de pessoas que ficam a margem, no lixão, no circo. A maneira pela qual o livro termina nos coloca perante a questão da imaginação no trabalho do escritor literário. Ainda que por vezes você possa ficar com a sensação de estar em meio a um sonho que não termina, este livro te coloca defronte de diferentes questões interessantes.   
 Editora Rocco, 2018

Indicado por Alessandra Ancona de Faria

2 – CONTOS DA PALMA DA MÃO – Yasunari Kawabata
Kawabata sabe escolher o essencial, a palavra precisa, e descartar tudo o que não é absolutamente necessário. Muitas vezes encerra-se a leitura de um conto de duas a quatro páginas, tamanho que "cabe na palma da mão" sem a noção exata de seu significado. E então, em algum momento posterior, essa sensação difusa pode se transformar em revelação plena de sentido. A morte, o amor, a infância, a cegueira, a sensualidade, os laços de família, os sonhos, as expectativas são alguns dos temas que perpassam os contos, e que nascem da observação do que há de mais cotidiano – e, nesse sentido, invisível – na existência.  
Editora Estação Liberdade, 2008 

Indicado por Ana Lucia Bresciane

3 – O PAI DA MENINA MORTA – Tiago Ferro
O nome pode assustar, mas recomendo, pois o autor escreve muito bem sobre a vida após uma grande perda. Ele vai construindo a narrativa utilizando-se de maneira criativa de muito gêneros, autobiografia, e-mails, epígrafes, verbetes. Embora o tema seja a morte de sua filha de 8 anos pela gripe H1N1, o livro versa sobre como sobreviver após essa experiência traumática.
 Instigante, sensível e belo. Um legado de um pai para sua filha. Li de uma sentada, sem conseguir largar. 
Editora Todavia, 2018

Indicado por Silvia Carvalho

4 – OS VELHOS TAMBÉM QUEREM VIVER – Gonçalo Miguel Tavares
Em meio à guerra de Sarajevo, nos anos 90, Apolo e Hércules descem do Olimpo para intervir na vida dos homens. Admeto, ferido de guerra, deve morrer, mas o deus Apolo, que não concorda com “o nobre noivado entre causa-efeito”, intervém para que Admeto viva uma segunda vez. A morte, no entanto, precisa saciar sua fome e só pode devolver a vida ao herói na condição de levar outra pessoa em seu lugar. Alguém deve morrer por ele. Quem você acha que vai se oferecer à Apolo? Por quais motivos? E você, morreria no lugar de alguém? Quem? E o que você exigiria como pacto de honra pela própria vida dada em troca? A história expõe, a partir do impasse da morte, as reflexões, as causas e as decisões dos personagens que amam Admeto, que eu indico para um fim de tarde de férias, para ler de um só golpe. 
Editora Foz, 2015

Indicado por Silvana Augusto

5 – MEU NOME É LUCY BARTON – Elisabeth Strout

Durante uma longa internação em um hospital, a escritora Lucy Barton recebe a visita de sua mãe, a quem não via há anos. Procurando reaproximarem-se, as duas rememoram cenas da infância de Lucy, falando sobre a cidade do meio oeste dos Estados Unidos onde viviam, rememorando trajetórias das as pessoas daquela comunidade. É o único laço que elas conseguem encontrar em comum. Lucy é agora uma escritora em Nova York e essa mudança de vida implicou afastamento radical de sua família de origem. Ao ouvirmos essas histórias, desenhamos a vida da sua família, sua extrema pobreza, compondo um quadro da América profunda, pouco explorada em livros e filmes. “Um livro de escrita ágil, para ler em poucas sentadas”.

Companhia das Letras, 2016

Indicação Ana Carolina Carvalho

6 – O CONTO DE AIA – Margaret Atwood
Em um futuro muito próximo, um cenário onde não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes – tudo fora queimado. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. Elas não têm direitos e são divididas em categorias. À pobre Offred coube a categoria de aia, o que significa pertencer ao governo e existir unicamente para procriar. Com esta história, o leitor é convidado a refletir sobre liberdade, direitos civis, poder, a fragilidade do mundo tal qual o conhecemos, o futuro e, principalmente, o presente.
Editora Rocco, 2017

Indicado por Damaris Maranhão

7 – O GENERAL EM SEU LABIRINTO – Gabriel Garcia Marques
Gabriel García-Márquez tece este belo romance inspirado na vida de Simón Bolívar, El Libertador. Impregnado das doutrinas de Rousseau, Montesquieu e Voltaire, Bolívar dedicou a vida a “romper a cadeia com que nos oprime o poder espanhol”. Fascinado pelo general que um dia sonhou com uma América Latina unificada e livre, desde o México à Terra do Fogo, García Márquez retraça o percurso de Bolívar tanto no plano físico quanto no espiritual, estabelecendo um paralelo entre sua viagem até Cartagena das índias, de onde ele partiria rumo ao exílio, e sua jornada inevitável à morte.
Editora Record, 1989

Indicado por Mara Christofani

8 – CONFESSO QUE VIVI – Pablo Neruda
Percorrendo uma trajetória que se inicia com a evocação da infância e termina com o golpe que derrubou Salvador Allende, o poeta chileno Pablo Neruda narra em suas memórias, fatos relevantes de sua vida. O poeta chileno dizia que sua vida era feita de todas as vidas. “Do que deixei escrito nestas páginas se desprenderão sempre — como nos arvoredos de outono e como no tempo das vinhas — as folhas amarelas que vão morrer e as uvas que reviverão no vinho sagrado.  
Editora Bertrand Brasil, 1992

Indicado por Mara Christofani

9 – MEMÓRIAS DE ADRIANO – Marguerite Yourcenar
Uma das mais fascinantes obras do século XX, este livro traz como personagem principal Adriano, o grande imperador romano. Mas não se trata apenas de uma biografia romanceada. A grande dama da literatura francesa faz uma obra de ficção, em que a ambienta física, política, social, cultural e psicológica obedece a um rigoroso processo de reconstituição histórica.
Editora Nova Fronteira, 2015

Indicado por Mara Christofani

10 – DIAS RAROS – João A. Carrascoza
Dias raros traz 4 contos inéditos: O último gol, Tecidos, Ali, Um ano a menos. […] Os contos circulam em uma geografia quase bucólica: casas, portões, quintais, vizinhos, parentes, pais e filhos, mães na cozinha, árvores, silêncio. No limite entre o idílio rural remanescente e a violência seca das cidades grandes, todo pensamento é físico, e quando chega quase à abstração, como no excelente "Umbilical", […] um dos mais belos momentos do livro, é como se reencontrássemos uma essência natural na vida, essência sempre generosa, cujo fim é comunhão. (Cristovão Tezza).
Editora Nacional, 2017

Indicado por Lucila Silva de Almeida

11 – A BIBLIOTECÁRIA DE AUSCHWITZ – Antonio G. Iturbe
‘A Bibliotecária de Auschwitz’ é um livro diferente. É uma história verdadeira e cheia de detalhes a respeito de um professor judeu que criou uma escola secreta no campo de concentração de Auschwitz, dedicando-se a lecionar para cerca de 500 crianças. Criou também uma biblioteca com a ajuda de uma menina judia que se arriscava para manter viva a esperança trazida pelo conhecimento. É um registro de uma época sofrida da História, mas que também mostra a coragem de pessoas que não se renderam ao terror e se mantiveram firmes usando os livros como ‘arma’.
Editora HARPER COLLINS BR, 2014

Indicação de Cisele Ortiz

12 – CADERNOS DE MEMÓRIAS COLONIAIS – Isabela Figueiredo
Um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O “melhor” de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. Uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção.
 Editora Todavia, 2018

Indicado por Walkyria Dias

Fazemos Parte

Facebook

Google+